Avançar para o conteúdo principal

You shall not pass!... Ou como depois de estarem cá fora, os nossos filhos podem trocar-nos completamente as voltas!

Por estes dias, vi uma imagem no Facebook sobre a qual não pude deixar de escapar um sorriso... E aqui está ela:


Quantas de nós, durante a gravidez de nos primeiros meses após o parto, não tivemos conversas como as da imagem de cima? Num mundo perfeito, cor-de-rosa e utópico, tudo na maternidade corre como planeámos ou idealizámos durante a gravidez. Nada nos consegue trocar as voltas, o nosso bebé dorme a noite inteira desde que sai da nossa barriga. Nada de choros, cólicas nem vê-las! E quando chegar a altura da introdução da alimentação complementar, vamos ser umas mães do que perfeitas e vamos dar sempre toda a alimentação o mais caseira possível. Nada de cerelacs e afins para os nossos filhotes. E muito menos TV e coisas desse género que são o entretenimento mais fácil a que os pais podem recorrer quando estão desesperados com a casa em estado de guerra e não conseguem fazer nada. Somos todas mães em modo Gandalf... Papas industrializadas, canais Panda, Baby First e afins, you shall not pass!!


Mas depois o bebé está cá fora e o mundo real cai sobre nós... As cólicas existem sim e caem sobre nós em modo "hora das bruxas" dias e dias consecutivos. Não, o nosso bebé não dorme a noite inteira... E tudo aquilo que tínhamos lido durante a gravidez parece totalmente impossível de concretizar. A privação do sono tem sobre nós o pior efeito do mundo e apenas queremos é ver o nosso bebé sossegado, a comer e sem nada que nos aumento o estado de stress que já se encontra lá nos píncaros! E aqui chegamos ao "depois" da primeira imagem... Atire a primeira pedra que, depois de idealizar que iria sempre dar alimentação totalmente caseira e depois de regressar ao trabalho, não cedeu à compra de uma embalagem de papa no supermercado ou de umas bolachas? Quem não olhou para os boiões de fruta como uma garrafa de água no meio de deserto quando o nosso filho parece não querer comer mais nada?

Acho que nestas questões de alimentação, não podem haver extremismos ou nada que se pareça. A bem da verdade, preparar as papinhas e frutas em modo caseiro até não demora nenhuma eternidade e, com uma boa gestão de tempo ao fim-de-semana, conseguem-se preparar muitas coisinhas caseiras para os nossos bebés. E uma papa caseira com fruta também não leva mais do que uns 10 minutos a preparar. Nestas coisas, acho que tudo depende da forma como queremos encarar as coisas... O que não podemos é chegar a extremismos com outras mães que seguem caminhos diferentes dos nossos nestas coisas da alimentação. Todas nós temos um pediatra ou um médico de família que acompanha o nosso bebé e não nos devemos achar a última batata frita do pacote questionando e criticando as opções das outras mães. Pela frente, podemos estar a ver o bebé mais fofinho do mundo mas dentro de quatro paredes, ninguém sabe o que lá se passa. Devemos sempre ter presente que os pais tomam aquelas que acham ser as melhores opções para os seus filhos e, numa sociedade livre como a nossa, não devemos criar a ditadura das mães e achar que todas devemos alinhar pela mesma música. Obviamente que deveremos fornecer a melhor informação possível a quem nos rodeia para que possam tomar decisões fundamentadas mas sem extremismos ok? Não deixem que o Gandalf dentro de vocês venha espreitar e vos impeça de ajudar de uma forma positiva. Sem extremismos. Sem imposições. E, acima de tudo, sem críticas!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Mãe... A que nos compreende melhor do que ninguém!

Hoje é um dia especial. Hoje faz anos a mulher que me deu vida. Hoje faz anos a mulher que é o meu exemplo, que me dá a força sempre que preciso, que sempre foi e é o meu porto de abrigo e que me compreende melhor do que ninguém. Hoje, passados quase dois anos desde que fui mãe, compreende ainda melhor a minha. É o ciclo normal da vida que nos faz olhar para o que nos acontece de forma diferente e que nos dá a sabedoria necessária para percebermos que muitas das coisas que as nossas mães nos diziam, tinham a sua razão de ser e não pretendiam apenas ser algo para nos contrariar. Hoje é um dia especial. As palavras serão sempre poucas para expressar aquilo que sinto e que me penso da minha mãe. Parece que, frente a frente, nem sempre é fácil dizer o que sinto. Acaba sempre por ser mais fácil para mim escrever do que dizer por isso não quero que fique nenhuma palavra por escrever para mais tarde mostrar a esta mulher que é o meu exemplo. Como todos os anos, hoje será o dia em que