Avançar para o conteúdo principal

Mulherio e os falsos elogios

Ser mulher é, provavelmente, uma das mais difíceis tarefas da Humanidade! Não me digam que é estar à frente dos destinos de um país, tomar decisões sobre o rumo económico de uma nação ou escolher as últimas novidades tecnológicas ao serviço da Defesa!

Ser mulher é, provavelmente uma das mais difíceis tarefas da Humanidade! Aterrar na Lua ou enviar uma missão não tripulada a Marte é "peaners" (como diz o outro!) quando comparado com a capacidade de organização, de abstracção, de concentração e a resiliência que todas nós, enquanto mulheres, temos de ter todos os dias, desde que acordamos até ao momento em que deitamos a cabeça na almofada, após mais um dia daqueles...

Todas nós vivemos rodeadas dos clichés de sempre, desde pequenas... Parece que as hormonas e a nossa condição feminina consegue ser justificação para tudo e para nada. Desde a boa disposição às lágrimas mais inesperadas, as hormonas, essas malvadas moleculazinhas com veia de diabo, são sempre o mordomo de serviço que assassinou o patrão.

Esta nossa condição de mulher torna-nos permanentemente insatisfeitas com o mundo, revoltadas muitas vezes, com uma profunda tristeza no peito outras tantas... Porque sabemos que nem sempre o mundo pode seguir o rumo que pretendemos. Porque sabemos que nem sempre o vestido pelo qual nos apaixonámos na loja nos cai como uma luva como pretendíamos... Ou simplesmente porque o nosso mais que tudo deixou a tampa da sanita lavada quando foi à casa-de-banho pela manhã...

Seria de esperar que as mulheres, essas que são tal e qual com nós e que vivem exactamente as mesmas angústias, fossem capaz de nos entender em toda a nossa plenitude e ajudar-nos a ultrapassar os dias menos bons e a tornarem a tempestade em bonança... Pois, mas nem sempre isso é assim e, caso assim fosse, viveríamos num mundo bastante melhor e mais tranquilo... Com menos lágrimas e menos inseguranças.

E tudo isto para vos falar na fotografia que vi no outro dia no Instagram da Vera de As Viagens dos Vs com as peculiares hashtags #fimaobullyingentremulheres, #umaspelasoutras e #amulherequemanda e que me deixou a pensar... Quantas de nós já sentimos o nosso dia arruinado por aquele comentário muito fofinho mas de uma malícia escondida sobre a nossa roupa ou a nossa maquilhagem? Quantas de nós não tivemos já a consciência de que aquele sorriso rasgado estava carregado de más energias? Pois... Nós somos mesmo as nossas piores inimigas. Todas temos a consciência de que um local de trabalho em que predominem as mulheres dificilmente estará livre de confusões por muito tempo. Todas as que frequentamos os grupos de mães no Facebook sabemos existe sempre uma pedra pronta a ser atirada quando temos uma dúvida ou dizemos que fazemos isto ou aquilo com os nossos filhos. Quando os homens nos dizem que são mais facilmente amigos uns dos outros, é mesmo por esta razão: o pior bullying de que uma mulher pode ser alvo parte, na maior parte dos casos, da mulher que está ao seu lado. Temos todas ao nosso alcance, fruto de compreendermos tão bem as vicissitudes hormonais e oscilações mensais, o ombro mais amigo que podemos colocar à disposição de outra mulher que esteja a ultrapassar uma fase menos boa... Mas nem por isso somos capazes de o oferecer de forma genuína. É certo que nem todas somos assim umas para as outras e felizmente que é assim! Mas, na maior parte dos casos, deixamos de rastos outras mulheres com comentários tão simples como "Ah estás tão bem!" mas com aquela entoação que torna tudo pincelado de falsidade dissimulada...

Sejamos mais amigas umas das outras. Sejamos capazes de dar o nosso melhor pela mulher ao nosso lado, mesmo que seja uma perfeita desconhecida. Para que não sejamos as piores personagens do bullying contra mulheres!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Casar: recordar um dia tão especial!

Casamento. Aquele momento especial na vida de qualquer casal e que se deseja que seja único para toda a vida. O casamento pode ser mais ou menos tradicional mas é um momento que marca e que queremos que seja inesquecível para nós e para os nossos convidados. Desde o momento em que acontece o pedido, a cabeça (normalmente, da noiva) começa a fervilhar com mil e uma ideias para colocar em prática e a ansiedade e o stress vão aumentando exponencialmente com o aproximar da data.  Mas perguntam vocês? Porque estou eu a falar de casamentos num blog que é muito mais baby blog que outra coisa? Para quem não sabe, o meu casamento aconteceu no dia em que o meu filho fez um ano. Com o segundo aniversário do baby boy e o primeiro aniversário de casamento quase aí, estou em modo lamechas a recordar tudo o que foi preparar este dia, que foi tudo menos convencional. Querem saber como tudo aconteceu? Conforme já vos disse, o meu casamento não foi de todo tradicional. Não foi um casamento

Crescer, desenvolver... Construir uma casa desde os alicerces!

Para quem se dedica ao estudo da Psicologia, Comportamento Organizacional ou Recursos Humanos, a pirâmide das necessidades de Maslow não deve ser totalmente desconhecida. Abraham Maslow, um psicólogo americano que trabalhou no famoso MIT, desenvolveu uma teoria de personalidade assente numa hierarquia de necessidades, segundo a qual afirmava que cada ser humano necessitava, patamar a patamar, de satisfazer um conjunto de necessidades de um tipo antes de poder satisfazer necessidades de outro tipo. Fonte: Laudon Online Olhando bem para esta pirâmide, vemos que temos de passar pelos diversos patamares até conseguirmos atingir sentimentos de autoestima e de realização pessoal, sendo fundamental para os quais vermos satisfeitas as necessidades mais básicas como seja a alimentação, aspectos fisiológicos do nossos organismo, ter uma casa, um emprego e uma família. Será que esta pirâmide não poderá estar presente em outros campos, com as devidas adaptações? Não teremos nós, por

Quarto de bebé: o nosso pequeno mundo!

Durante a gravidez e mesmo depois de sermos mães, o quarto do bebé deve ser um dos locais onde passamos mais tempo e um dos quais dedicamos maior atenção na nossa casa. Se durante a gravidez, a preocupação é decorar o quarto com todos aqueles pequenos detalhes que o tornem especial e único (sem que isso seja, obrigatoriamente, sinónimo de funcionalidade), depois de sermos mães e de percebermos aquilo que o nosso bebé e nós precisamos para as diferentes parte do dia, o quarto de bebé acaba por ir sofrendo algumas adaptações ao longo do tempo. O tema do quarto de bebé não é novo aqui no blog. Se a memória não me falha, já escrevi por aqui sobre pequenas sugestões para criar um refúgio para crianças felizes , já me inspirei na IKEA Portugal para vos dar sugestões de como criar um ambiente preparado Montessori-friendly no quarto dos mais pequenos e já escrevi também por aqui sobre como não deve faltar muito para haver algumas mudanças no quarto do baby boy neste início de 2018 . Passa